Turismo e Folclore

Conheça os principais pontos turísticos e curiosidades sobre cultura e folclore.

Folclore

Bandeira do Divino

Bandeira do Divino

Nas semanas que antecedem a tradicional Festa do Divino Espírito Santo, um grupo de pessoas percorre a cidade visitando as casas e colhendo ofertas para a festa. Acompanha o cortejo uma senhora ou moça conduzindo a Bandeira do Divino presa a um mastro de dois metros, tendo a figura de uma pombinha, que representa o Espírito Santo, na ponta da haste, com várias fitas coloridas pendentes. Às vezes o grupo é acompanhado de canto com música de rabeca, violão, cavaquinho e tambor, cujas batidas anunciam a aproximação da Bandeira do Divino.

Festa do Divino Espírito Santo

A Festa do Divino Espírito Santo é uma representação da coroação dos imperadores nos tempos do Brasil Império. Nessa época, uma família tradicional da cidade é sorteada para ser a festeira. No dia da festa, o cortejo e a família festeira, acompanhado de muita música, percorre as ruas da cidade com o Imperador, a Imperatriz e os Pagens vestidos a caráter. Depois instalam-se num trono, onde permanecem o dia todo presidindo o cerimonial. A festa é acompanhada de missa, queima de fogos, leilão, baile e barraquinhas diversas. A sede do município de Palhoça e o distrito de Enseada de Brito são os locais onde anualmente a festa acontece.

Boi-de-mamão

O Boi-de-mamão é a representação dramática de cenas da vida campestre. Boi, cavalo, cavaleiro, curandeiro, urubu e cantadores são alguns dos personagens representados. Com o passar do tempo outros personagens foram acrescentados: Maricota (boneca de 3 metros), Bernúncia, Urso, Cabra e outros. O Boi-de-mamão é acompanhada de cantos e música de instrumentos, tradição em todo o litoral, a representação e alguns personagens variam para cada região.

Pau-de-fitas

É a dança que representa a fertilidade da natureza. Executada em torno de um pequeno mastro representando a árvore, um grupo de quatro a oito casais realizam evoluções utilizando as longas fitas amarradas ao mastro. Durante as evoluções os casais fazem diversos trançados e destrançados com as fitas. Um grupo de músicos acompanha a apresentação com cantorias.

Terno-de-reis

Do Natal até 6 de janeiro, quando se comemora o dia dos Reis Magos, costumam aparecer na Palhoça os “Ternos-de-reis”, para reverenciar o nascimento de Jesus. A palavra “Terno” simboliza a existência de três vozes repentistas. As apresentações têm sempre a mesma melodia, variando a letra de acordo com a festividade. O grupo de repentistas, constituído geralmente de quatro a oito pessoas, percorre as casas pedindo ofertas em dinheiro ou bebidas. As músicas cantadas pelo grupo são de fundo religioso e folclórico.

Pão-por-Deus

Tradição quase desaparecida, o Pão-por-Deus é um meio de comunicação romântica, onde as mensagens de amor, amizade e simpatia, são escritas nas mais variadas figuras de papel, em recortes geométricos, transmitindo diferentes pedidos.

Principais pontos turísticos de palhoça

Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

É a maior Unidade de Conservação do sul do Brasil. Com quase 90.000 hectares, abrange nove municípios e algumas ilhas costeiras, estas constituem importantes refúgios de aves marinhas migratórias e fauna local.

O parque possui cinco tipos de paisagens: a Restinga, com seus ricos campos litorâneos, a exuberante Floresta Atlântica, a peculiar Matinha Nebular com curiosos representantes andinos e antárticos, o Campo de Altitude e a Floresta Araucária.

Decreto de criação – nº 1.260 de 01/1/75, publicado no Diário Oficial nº 10.359 de 07/11/75.

É a maior Unidade de Conservação do sul do Brasil. Com quase 90.000 hectares, abrange nove municípios e algumas ilhas costeiras, estas constituem importantes refúgios de aves marinhas migratórias e fauna local.

O parque possui cinco tipos de paisagens: a Restinga, com seus ricos campos litorâneos, a exuberante Floresta Atlântica, a peculiar Matinha Nebular com curiosos representantes andinos e antárticos, o Campo de Altitude e a Floresta Araucária.

Decreto de criação – nº 1.260 de 01/1/75, publicado no Diário Oficial nº 10.359 de 07/11/75.

Trilha ecológica no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro - Morro do Cambirela

Cambirela é o melhor mirante da região. Caminhar por trilhas até o alto do morro com 1.043 metros requer determinação e um ótimo preparo físico. Ponto culminante da região da Grande Florianópolis, o Cambirela é um dos cartões postais do Parque.

Quem olha o Cambirela da base do morro, com toda a sua imponência e beleza, já imagina que o melhor está lá em cima, no pico da montanha, com 1.043 metros de altitude, é o ponto culminante do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro e a montanha mais alta e com maior dificuldade de se chegar da região. De seu topo é possível ter uma vista espetacular de toda a ilha de Santa Catarina e do maior aglomerado urbano do Estado, formado pelas cidades de Florianópolis, São José e Palhoça. Mas só quem chega lá entende porque encarar o desafio de vencer suas íngremes trilhas é um sonho para quem aproveita os fins de semana para cansar o corpo e relaxar a mente fazendo esse tipo de caminhada.

Vencer o desafio do Cambirela é um sonho para ser conquistado aos pouquinhos, pulando pedras, calculando os passos em segundos e subindo barrancos que fazem lembrar a existência da gravidade. Os escorregões são inevitáveis. Uma caverna esculpida no meio da mata é a parada perfeita para descansar, comer e apreciar uma vista maravilhosa da Grande Florianópolis. Todo mundo esquece o cansaço e por um tempo não sabe muito bem para onde olhar. De um lado está o mar, do outro as montanhas da Serra do Tabuleiro. Há quem diga que o Cambirela tem uma magia e quem sobe uma vez sempre quer voltar.

Bromélias e Orquídeas

Bromélias de todos os tipos encantam os caminhantes e dividem o espaço com orquídeas, caetés, jacatirões e alguns raros palmiteiros na mata regenerada. Com a altitude, a floresta fechada cede espaço para a vegetação rasteira. É possível encontrar pelo caminho alguns animais como tatu, cutia, gralha, cachorro-do-mato, gambá, paca, cobra, morcego e até tucano. O morro do Cambirela faz parte do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, uma área de quase 1% do território catarinense, teoricamente protegida por um decreto assinado pelo governo do Estado em 1975.

Morro da Pedra Branca

Localizado a 6 km do centro de Palhoça o Morro da Pedra Branca possui magnífica vegetação de mata nativa, com belas trilhas que conduzem ao topo. Do alto dos seus 500 m é possível avistar os municípios vizinhos. Quem gosta de caminhar por trilhas e apreciar a exuberante vegetação da Mata Atlântica, bromélias, orquídeas, além da variedade de pássaros é uma boa alternativa.

Ilhas

As principais ilhas do município são: Ilha do Largo, Ilha dos Papagaios, Ilha Três Irmãs, Nossa Senhora da Conceição de Araçatuba, Ilha do Coral e Ilha dos Moleques.

Praia do Tomé

A fartura do pescado e uma rica fauna somada a uma bela vista, fez com que o então navegador Tomé de Souza fixasse residência nesse local, sendo que a praia leva seu nome até hoje. O local oferece uma boa opção de bares e restaurantes. Vale a pena visitar a Praia do Tomé localizada na Barra do Aririú.

Praia de Fora

Perto do morro mais alto do município - Cambirela estão as praias do Cedro, Pontal e Marivone, João Vieira que parecem receber a proteção do grande morro. Assim é a Praia de Fora, com águas limpas e tranquilas e largas faixas de areia, propiciando a prática de esportes.

As luzes da Ilha de Florianópolis oferecem um espetáculo à parte para quem curte a noite no balneário da Praia de Fora.

Enseada de Brito

O único Distrito do município onde predomina a cultura açoriana através de seus casarios centenários e a maricultura como grande atrativo gastronômico.

Uma das três mais antigas comunidades de origem açoriana no litoral catarinense. Foi fundada em 1750 pelo navegador português Domingos de Brito Peixoto, na mesma época em que surgiram as freguesias de Nossa Senhora da Conceição da Lagoa e São Miguel da Terra Firme.

Pedras Altas (naturismo)

Num lugar pequeno, paradisíaco e de difícil acesso fica a segunda praia reconhecida como reduto naturista em Santa Catarina – Pedras Altas. Está a 40 km de Florianópolis, a praia é pública, mas de acordo com a Legislação Federal não é permitida a entrada de pessoas com roupas neste local. Quem quiser frequentá-la precisa despojar-se de outro item: a vergonha.

Pedras Altas divide-se em duas pequenas praias, a cerca de 100m cada, ambas cercadas por vegetação, está localizada no Distrito da Enseada de Brito.

Praia do Sonho

A Praia do Sonho é a única praia com duas frentes para o mar (norte e leste), com opção de banhos em águas calmas e mar groso, distante 34km do centro de Palhoça, preferida por aqueles que procuram paz e sossego.

Da Praia do Sonho é possível avistar a ilhota de Araçatuba – onde fica a Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Araçatuba e as Ilhas Três Irmãs.

Para fazer um passeio até as ilhas os pescadores da região alugam os barcos cobrando pequenas taxas.

Praia Ponta dos Papagaios

O nome, segundo depoimento dos moradores mais antigos, originou-se porque antigamente o local era um viveiro natural de pássaros, entre eles vários papagaios. Hoje a Ponta dos Papagaios é uma praia com boas pousadas, restaurantes e que além de sua tranqüilidade e beleza destaca-se pela qualidade de seus empreendimentos, como a Pousada Ilha dos Papagaios e a criação de ostras e mariscos cuja qualidade é considerada a melhor do país.

Praia da Pinheira

A Praia da Pinheira é uma das praias mais freqüentadas de Palhoça, recebendo grande fluxo de turistas de outros estados. Localizada numa enseada a 35km do centro do município e a 48km de Florianópolis. É dividida em duas praias: Praia de Baixo e Praia de Cima, situadas em oposição uma a outra.

Hoje a Praia da Pinheira não é só um povoado com pescadores de tradição açoriana, lojas, farmácias, padarias e pousadas provam que o desenvolvimento chegou ali, porém o progresso não apagou as marcas que caracterizam a praia: os ranchos dos pescadores e a paz da convivência entre os visitantes e nativos.

O nome

Conta-se que havia uma enseada muito linda, que era coberta por árvores de madeira leve e resistente, muito usada para a fabricação de bóias para as redes dos pescadores, o fruto desta árvore parecia-se com uma pinha (fruto do pinheiro) daí as árvores serem chamadas de pinheira. Como esta linda praia não tinha nome, os nativos chamaram-na de Pinheira.

Praia de Cima

Praia do Engenho, Praia das Cabras ou Praia de Cima, são alguns dos nomes dessa pequena, mas bela baía de águas limpas, que se completa com a ponta das andorinhas e o costão da Praia de Baixo.

A Praia de Cima é uma das poucas praias do município que além de sua rara beleza, abriga banhistas do vento sul pela sua posição geográfica.

Praia Guarda do Embaú

Segundo pessoas antigas da Guarda do Embaú, um tesouro teria sido enterrado na localidade por capitão de um navio perseguido por piratas. O tesouro estaria na estrada de Camboatá “guardado em baú”.

Classificada por uma famosa revista como uma das 10 melhores praias do mundo para a prática do surf, a Guarda faz jus ao título. Bela, ela é o paraíso dos surfistas que a escolheram para ser um dos pontos mais fervilhantes do litoral.

A Guarda é uma pequena vila de pescadores, descoberta na década de 70 pelos hippies e pelos surfistas da época, que corriam atrás de boas ondas. Na Guarda desemboca o Rio da Madre e para chegar até a areia, à beira mar, é preciso atravessar o rio a nado ou numa canoa de pescador.

Pedra do Urubu

Uma das grandes atrações da Guarda. Subir na Pedra do Urubu, localizada no morro do canto norte, é um passeio que vale muito a pena, lá de cima o visual da praia da Guarda, Pinheira, Sonho, Gamboa e Garopaba.

Rio da Madre

É o rio e a porta de entrada da Guarda do Embaú e pode ser navegado em pequenos barcos

Prainha

Pequena praia deserta e muito bonita. O acesso é feito pelo costão do canto Norte da praia da Guarda. A trilha que corta um morro de grama na beira do mar é bem curta e leva cerca de 15 minutos a pé. Ela também é um excelente point de surf. A Polícia Ambiental patrulha frequentemente o local, que faz parte do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro.

Cachoeiras

Há diversas cachoeiras e corredeiras no Município de Palhoça, porém as principais são: cachoeira do Pontal que desce a montanha do Cambirela, cachoeira do Araçá que deságua no Rio Cubatão, cachoeiras do Maciambú, que descem os montes do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro e a cachoeira do Sertão do Campo.

Rio e Cachoeiras do Maciambú

Localizada no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, a bacia do Maciambú, mantém-se dentro dos limites do parque desde a sua nascente até a sua foz. Passando por uma trilha de 1.000 metros, pode-se observar a fauna e a vegetação do Parque, piscinas naturais de águas verdes, quedas d'água e algumas ruínas. Lá também fica o rio Maciambú com uma piscina natural de aproximadamente 3 metros de profundidade. O rio corre pela mata, forma um imenso lago, e se divide em duas quedas, formando outro lago logo embaixo. Um cenário paradisíaco onde ficam as cachoeiras do Maciambú.

Igrejas Históricas

Existem algumas igrejas Históricas no município de Palhoça como: Igreja Católica no centro de Palhoça, Igreja de Nossa Senhora do Rosário, na Enseada de Brito, entre outras.

Mangues

Palhoça possui um dos maiores mangues de toda a América do Sul. O mangue ou manguezal é a vegetação alagadiça dos litorais quentes e das zonas pantanosas. Situado entre a zona de transição entre o mar e a terra firme, em locais protegidos da ação direta do mar, seu aspecto é geralmente arbustivo e seu solo é lodoso e salgado.

Ponte Pênsil

A ponte pênsil é um atrativo que nos leva ao passado. A ponte fica localizada na Guarda do Cubatão.

Prédio Centenário

O prédio no estilo colonial português foi construído por Antônio de Castro Gandra, teve início em 1894 e concluído em fins de julho de 1895. Em 22 de agosto de 1895 foi inaugurado solenemente e à noite houve um grande baile para comemorar o evento.

No prédio foram instalados os três poderes. No primeiro pavimento funcionava o gabinete do Superintendente (Prefeito), sala de sessão do júri, Conselho Municipal (atual Câmara de Vereadores) e sala de audiência de autoridades. Com o passar dos anos o Poder Judiciário e o Poder legislativo saíram para outros endereços. Atualmente o prédio da Prefeitura é usado exclusivamente pelo Poder Executivo.

Em 24 de agosto de 1924 o Superintendente José Crisóstomo Koerig abre crédito para a aquisição de um relógio para ser colocado no frontispício da Superintendência. Em 15 de agosto de 1925 manda gratificar João Grumiché pelos serviços realizados na colocação do relógio que funcionou até a década de 60. Atualmente ele só tem o mostrador e os ponteiros. O maquinário desapareceu nas diversas tentativas de faze-lo voltar a funcionar.

Em 1985, na gestão do Prefeito Néri Brasiliano Martins o prédio da Prefeitura foi todo reformado e teve sua área aumentada em dois terços. O responsável pelas obras foi Genésio Marciano de Souza. O prédio da Prefeitura é considerado um monumento histórico, porém não tombado.

Ciclovia Modelo - Av. Elza Lucchi

Palhoça hoje tem uma das melhores ciclovias, totalmente sinalizada e localizada na Av Elza Lucchi, uma obra de referência nacional.

Marisqueiras

O município de Palhoça é um dos maiores produtores de mariscos e ostras do estado de SC. Nossas águas são propicias para o cultivo deste molusco.

Parque Ecológico

Parque Ecológico Natalina Martins da Luz, Patrimônio da União que a Prefeitura Municipal de Palhoça tem, um comodato para uso. Berçário ecológico e a única ligação da sede do município com o mar e mangue.

Relógio do Sol (Quadrante Solar) Autor Félix Cabral

Constituiu na virada do milênio ano 2000 com o Prefeito Paulino Schimitz. Também construiu outro em Itajaí e mais dois fora do Brasil. Relógio onde astrônomos e estudiosos baseiam-se. As pessoas de todo o mundo visitam esta obra.

Praia Parque Clube

Este empreendimento localiza-se na praia do Tomé (Barra do Aririú ) aberto a grandes eventos com boa capacidade. Tem como infra-estrutura 4 piscinas, 2 para adultos e 2 para crianças, supertoboáguas, praça de alimentação, restaurante, confeitaria, sorveteria, pastelaria, loja de conveniências, churrasqueiras, sauna, sala de ginástica, quadras de esporte play ground e ainda um amplo estacionamento para sua maior tranqüilidade. Tudo isso para lhe proporcionar momentos agradáveis de lazer! O que mais chama atenção é uma belíssima vista para a ilha de Santa Catarina.

Dinossauro

Escultura de cimento tela de ferro armado, feito por Walmir Valmor Schindew natural de Palhoça (Aririú) com objetivo de um parque Pré-Histórico - 1.984.

Gruta Nossa Senhora de Fátima.

Foi rezado o 1º terço em 23 de fevereiro de 1958. Na mesma década foi idealizada a imagem de Nossa Senhora de Fátima e os 3 pastorzinhos. A partir daí a imagem foi doada e levada em procissão da Igreja Matriz de Palhoça, até a referida gruta.

Igreja da Enseada do Brito

É sem dúvida um dos mais antigos lugares e uma das mais antigas paróquias de Santa Catarina. Foi elevada à categoria de igreja paroquial no dia 13 de maio de 1750, criada no período colonial e imperial.